O filme é baseado no poema “Túnica Inconsútil” (1938) do escritor Jorge de Lima. Durante 8 anos o roteiro de “o grande circo místico” ficou guardado a sete chaves, pelo então diretor Calos Diegues (Deus é brasileiro). O longa também foi apresentado em Cannes (2018) em sua sessão especial e além do mais foi escolhido para representar o Brasil no Oscar 2019 como melhor filme estrangeiro.

O grande circo místico conta a história de cinco gerações de uma mesma família circense que cuida do Grande Circo Místico desde 1910 aos dias atuais. Celavi, o mestre de cerimônias que nunca envelhece, mostra as aventuras e os amores dos Knieps, do apogeu à decadência. Imagina-se que um filme brasileiro indicado ao Oscar 2019 seria um filme estupendo, correto? Não é bem assim… Pense da seguinte forma; os fios de cabelo da personagem Dorothy (Magico de Oz) são todos belos e organizados, Dorothy cuida todos os dias de cada fio de cabelo, agora imagine se ela não pentear mais? Pronto! Os fios de cabelo são comparados aos fios da história do roteiro, se um estiver fora do eixo ele acaba afetando todos.

Um bom roteiro é aquele “simples” e fácil de entender, infelizmente O grande circo místico peca só um pouquinho ao contar a história do poema, e acaba optando em não criar familiaridade com os personagens. Porém, vale ressaltar que trabalhar com este tipo de roteiro não é nada fácil (me refiro a um roteiro que não tem personagem principal e que conta a história de várias vidas), entretanto o diretor Carlos Diegues é um rapaz experiente, com filmes de ótimas repercussões.

Apesar de falhar no roteiro, o grande circo místico é de uma beleza exuberante, com teor poético e com vários elementos musicais (elementos que foram baseados no musical “Chico Buarque e Edu Lobo) a trilha original canta e encanta o telespectador, sem dúvida nos emociona! Também podemos citar a direção de arte e a fotografia, que apresentou um aspecto eu lírico, incorporando essa belíssima palheta de cor que somente um circo de verdade pode mostrar!    

O diretor Carlos Diegues mais conhecido como Cacá Diegues é um idoso/jovem de 78 anos e muito talentoso! Com um portfólio espetacular como por exemplo; Xica Da Silva (1976), Deus é Brasileiro (2003) e 5x favela – agora por nós mesmos(2010). Vale apena ir aos cinemas e rever o talento inevitável deste excelente diretor.