O Retorno De Mary Poppins

estrelas4

Após 54 anos de sua estreia nos cinemas, Mary Poppins (1964) deixou um legado artístico nos teatros e nos musicais até os dias de hoje. “O retorno de Mary Poppins” destacou ainda mais essa belíssima obra musical! O filme é dirigido pelo diretor e coreógrafo Rob Marshall (Chicago), conhecidíssimo por ser um diretor de teatro e de peças da Broadway. Mary Poppins também deixou o seu legado nos livros, tendo cerca de “8 livros” sobre a história da babá perfeita, o que só desafiou ainda mais a DISNEY na hora de criar este roteiro.

Desta vez Mary Poppins (Emily Blunt) desce dos céus novamente com seu fiel amigo Jack (Lin-Manuel Miranda) para ajudar Michael (Ben Whishaw) e Jane Banks (Emily Mortimer) que acabaram de sofrer uma grande perda na família. Prestes a perder sua casa Jack e seus três filhos começam a vivenciar uma verdadeira jornada para salvar seus bens! “O retorno de Mary Poppins” literalmente não é um filme de uma narrativa forte, não apresenta bons argumentos e nem conflitos psicológicos, por outro lado o filme é um verdadeiro espetáculo musical!

Dentro da direção de arte existe uma etapa de criação que se chama Concept Art, este termo é usado para apresentar a criação de cores, texturas, pesquisas de personagens, desenho em quadro, iluminação e cenários. O retorno de Mary Poppins é bem destacado nestes conceitos, o longa possui belos cenários, dignos de ser de um musical da Broadway, palheta de cor bem condecorada para cada personagem e principalmente a escolha de cada quadro, que mais parecem uma “obra de arte”. Este musical com certeza irá render apresentações no Oscar 2019 ou no Oscar 2020.

xEmily-Blunt-e-Mary-Poppins.jpg.pagespeed.ic.0DhLaigNVW

Sabemos que quando se trata de musicais os americanos sempre são muito chatos e mais detalhista ainda, porém… O retorno de Mary Poppins não ficou nada chato! Pelo menos teve algo a contar e uma história para narrar que contém começo, meio e fim. O filme também conta com excelentes participações, destacando a atriz Emily Blunt (que nunca vi tão bonita) cheia de moral em cena e que acaba nos levando para um grau de aventura bem maior.

O filme também apresenta uma estética visual bem agradável! A mescla de “Animação e imagem real” no maior estilo Space jam é de uma beleza exuberante. Portanto, ao ver “O Retorno de Mary Poppins” faça o seguinte; se sente nas poltronas e se prepare para ver um filme de 2 horas e 12 minutos com cerca de 70% musical! Analise de forma coesa o aspecto de “direção de arte”. Este filme é um verdadeiro exemplo de como o papel do diretor de arte é importante na pós-produção.