o lagosta.jpg

estrelas4

Iniciando o ano de 2019 a NETFLIX já estreou os seus primeiros quatro filmes, sendo um deles “O lagosta (2015) ” do diretor grego Yorgos Lanthimos, que é coproduzido pela Irlanda, Reino Unido, Grécia, França e Holanda. O Longa apresenta uma estética bem diversificada por causa de suas múltiplas “nacionalidades”. O que possibilita um entendimento bem complexo sobre a trama.

O filme conta a história do arquiteto David (Colin Farrell) que vive em uma sociedade ‘extremista’ onde é proibido ser solteiro. David perde sua esposa e é enviado para um hotel onde vivem homens e mulheres solteiras, sendo obrigado a se apaixonar no prazo de 45 dias caso contrário ele será transformado em um “animal” através de uma experiência bizarra. David acaba fugindo do hotel e se refugia na floresta dos “solitários”, que vivem na mais completa solidão e são proibidos de se relacionarem. O lagosta faz uma crítica feroz aos dois lados da história, solteiros vs casados.

O personagem de Colin Farrell é um homem cheio de particularidades e rituais que acaba vivendo uma verdadeira ‘desventura’, o que possibilita ao telespectador um mergulho profundo para dentro desta estória… Estória na qual aborda de forma direta os padrões “pré-estabelecidos por uma sociedade moderna. Enfim, não há muito o que dizer sobre a “premissa” deste Longa, o diretor grego Yorgos age de forma imparcial, deixando o poder de escolha e de entendimento nas mãos do telespectador.

O LAGOSTA 2

O lagosta talvez seja o roteiro perfeito nos tempos atuais! Roteiro no qual não teria tanta potência sem uma arte contemporânea e uma fotografia estupenda (na maioria dos planos foi utilizado a luz natural). Um bom filme na maioria das vezes é composto por um bom elenco, um bom texto e principalmente uma boa direção! ‘O lagosta’ oferece 100% deste requisito, tendo o seu elenco composto por: Colin Farrell, Rachel Weisz, John c. Reilly e Ben Whishaw. O filme também explora planos interessantes como “planos gerais” dando o corte na cabeça do personagem (muito utilizado no Tom e Jerry) e também planos mais analíticos que é proposta da estória; mostrar o extremismo e a sociedade dividida.

Portanto ‘O lagosta’ possui uma narrativa totalmente construída por um concept art digno de ser comparado com o filme Ela (2013) ou então o ‘Grande Hotel Budapeste’ (2014). Minha dica é: Assista a este filme sozinho e sem crianças (contém algumas cenas impróprias), se atente a crítica feroz que o longa apresenta e no final do filme você irá tirar suas próprias conclusões.