a maldição da freira3.png

estrelas3

Estreou nesta quinta-feira (28) o terror baseado em fatos reais “A Maldição da Freira”, o filme não possui recursos gráficos e foi gravado em 16 mm, na intenção de retratar um ‘documentário’ filmado no período de 1960, período no qual aconteceu essas ‘anomalias’. O longa é dirigido por Aislinn Clarke e é uma produção do Reino Unido.

“A Maldição da Freira” se passa no período de 1960, onde dois padres são enviados pelo vaticano para investigar um fenômeno milagroso em um lar irlandês, onde abriga mulheres grávidas, órfãs, solteiras e com distúrbios mentais.

Antes de analisarmos o filme temos que comentar sobre sua ‘distribuição’ aqui no Brasil! Na maioria das vezes as distribuidoras brasileiras não escolhem uma tradução sincera do título original. Ou seja, “A Maldição da Freira” está neste mesmo barco! O que eu quero dizer com isso?  O título original deste longa-metragem é “The Devil’s Doorway” que significa “A porta do diabo”… Tudo bem! Há motivos para essa alteração tão gritante de nome… (Pensando como a distribuidora PLAYARTE PICTURES: Vamos criar o seguinte título ‘A Maldição da Freira’ e fazer associação ao filme da FREIRA-2018) enfim, é uma boa ideia! Tirando o fato de que o nome deste longa é a SOLUÇÃO DO CONFLITO deste roteiro! Então…. Desde o início o telespectador saca quem é o culpado pelas convenções malignas impostas naquele lugar.

Já a diretora Aislinn Clarke não traz nada de inovador neste filme, permanece os elementos de arco dramático descontinuo, subjetividade nos lugares obscuros, câmera subjetiva e principalmente o aspecto de documentário…. Tudo já é previsível ao meu VER! Porém, a diretora trouxe algo bem interessante! Que é a filmagem em 16 mm e o não uso de computação gráfica…. Tudo isso para retratar uma história de 1960.

Portanto, “A Maldição da Freira” segue à risca o TERROR norte-americano. Enfim, pelo menos irá vender razoavelmente…. Mesmo que o roteiro deixe seus buracos na história do personagem Padre Thomas (Lalor Roddy). A vida continua a mesma (E eu continuo tomando sustos em todos filmes de terror).