PhotoEditor_20190513_151100066

Estreou nesta quinta-feira (9) o filme ‘Cemitério maldito’ (Pet Sematary), adaptação da obra de Stephen King, Com distribuição da Paramount pictures e dirigido pela dupla Kevin Kölsch e Dennis Widmyer (Holidays em breve). O longa possui outras duas versões; Cemitério maldito (1989) e cemitério maldito 2 (1992).

Sinopse: Uma família se muda para uma nova casa, localizada nos arredores de um antigo cemitério amaldiçoado, usado para enterrar animais de estimação, mas que já foi usado para sepultamento de indígenas. Algumas coisas estranhas começam a acontecer, transformando a vida cotidiana dos moradores em um pesadelo.

cemiterio-maldito-2019-1024x683.jpg

Stephen King sempre foi uma figura ‘máxima’ no gênero de terror, suas obras realmente são assustadoras, medonhas e possuem particularidades únicas. Os produtores Lorenzo Di e Steven Schneider resolveram se aventurar nessa obra, mesmo sabendo que Stephen costuma cobrar muito! Enfim, dizer que o filme é ruim ou bom não é possível! Tudo é questão de gosto e público alvo. Eu amo a “crítica cinematográfica” e um dos motivos é porque a SUBJETIVIDADE é predominante neste meio! Ninguém pensa igual ao outro.

Pensando desta forma eu vou fazer a comparação de dois veículos (GRANDES), Omelete vs Cineclick, o bem versus o mal ahaha (Brincadeira) enfim, para que isso aconteça temos que entender melhor o real significado da palavra “SUBJETIVO”.

O SUBJETIVO É EXPLICÁVEL?

adjetivo
1.
que pertence ao sujeito pensante e a seu íntimo.
2.
pertinente a ou característico de um indivíduo; individual, pessoal, particular.
“julgamento s.”
3.
FILOSOFIA
relativo ao sujeito do conhecimento, à consciência humana, à interioridade espiritual que se apodera cognitivamente dos objetos que lhe são externos.
4.
FILOSOFIA
válido para um só sujeito; individual.
5.
GRAMÁTICA
relativo a sujeito; que tem função de sujeito.
“oração s.”

Este é o termo técnico da palavra! E SUBJETIVIDADE? Pode ser explicada? Podemos estudar a vida inteira e mesmo assim não entender o que ela significa!  O indivíduo em seu íntimo cria um conceito “base” do que pode significar, mas a própria palavra em seu âmbito entrega o real significado! Pois todo esse pensamento pode ser SUBJETIVO.

Enfim, analisemos agora os dois veículos em suas críticas no filme “cemitério maldito”

OMELETE VS CINECLICK | ‘CEMITÉRIO MALDITO’

banner_cemitériomaldito-1.jpg

Assim como outras áreas de ‘Humanas’ o jornalismo também possui suas teorias… Em questão irei acentuar a “Teoria do Gatekeeper”:

“A teoria do Gatekeeper pressupõe que as notícias são como são porque os jornalistas assim as determinam”.

Ou seja, essa teoria parte da SUBJETIVIDADE;

“Diante de um grande número de acontecimentos, só viram notícias aqueles que passarem por uma cancela ou portão e quem decide isso é um selecionador, que é o próprio jornalista. Ele é o responsável pela progressão da notícia ou por sua morte caso não a deixe ser publicada”.

Na crítica cinematográfica é a mesma coisa! Antes da publicação de uma ‘crítica’ entende-se que ela parte da OPINIÃO e que irá passar por um “portão” antes de ser exibida publicamente (Na maioria das vezes  a linha organizacional afeta o conteúdo). Mas a questão não é expor o “ERRADO” OU O “CERTO”, a SUBJETIVIDADE é o que importa… Isso que é o belo nesta área!

CRÍTICA CINECLICK

cineclick-logo (1)

Escrita por Thamires Viana, no dia 10/05.

Nota do filme: 4,5/5

Leia a crítica neste link

Como “base” os primeiros dois parágrafos é exposto a produção e a sinopse.

A partir do terceiro parágrafo a autora trabalha em cima da análise externa (Roteiro, direção e etc), e comentando a história e sua importância para a vida social.

Os demais parágrafos permeia a crítica interna, exibindo sua opinião final.

CRÍTICA OMELETE

images

Escrita por Arthur Eloi, no dia 09/05

Nota do filme:  2/ 5

Leia a crítica neste link

Como “base” os primeiros dois parágrafos é exposto a produção e a sinopse.

No terceiro parágrafo também é citado a análise externa. Diferente que o Cineclick, o Omelete esculacha a fotografia e a trilha sonora, depois ele vai destrinchando o elenco morno.

E por último ele exemplifica que o autor Stephen King merecia uma adaptação melhor.

Enfim, o importante nesta reflexão não foi analisar profundamente as duas obras, mas sim  a SUBJETIVIDADE! Ninguém está certo ou errado, não existe ruim ou bom, existe o SUBJETIVO!

Quer saber a minha opinião sobre o filme? Achei bem mediano e na linha da mesmice (Igual a muitos filmes de terror).

Como lição de casa; leia por completo as duas críticas… E tente entender o porquê das diferenças.