6f5m5exg.jpeg

istockphoto-1150256378-1024x1024

Estreia nesta quinta-feira (31) “A CIDADE DOS PIRATAS”, de Otto Guerra – Baseado na obra do cartunista Laerte Coutinho. A animação é um documentário sobre a vida de Laerte, que traz elementos do surrealismo e da metalinguagem para tentar explicar essa figura icônica. A produção é dirigida por Otto Guerra e distribuída pela Lança Filmes. 

SINOPSE  DA DISTRIBUIDORA LANÇA FILMES

Inspirado nos famosos quadrinhos da cartunista Laerte. A história mescla a jornada de transição da artista e do diretor, que encara a morte após ser diagnosticado com câncer. Cria-se, então, um abismo caótico entre ficção e realidade na animação mais louca de todos os tempos.

SOBRE LAERTE COUTINHO 

AWl7teag

Laerte Coutinho é uma das quadrinistas mais conhecidas do Brasil. Começou sua carreira nos anos 70 fazendo o personagem “Leão”. Nos anos 80 lançou a revista “Piratas do Tietê” com a Circo Editorial e “O Tamanho das Coisas”. Foi colaborador de jornais e revistas como O Estado de São Paulo, Folha de São Paulo, Veja e Isto É. 

Em 2010 revelou publicamente sua opção pelo crossdressing e em 2012 fundou a ABRAT, Associação Brasileira de Transgêneros.

Os piratas do Tietê foi uma das obras mais reconhecidas de Laerte, o diretor Otto Guerra não podia deixar de utilizar a figura do “pirata” como protagonista em seu filme, juntamente com suas aventuras e desventuras. Um filme que propriamente é 😕 confuso, mas que demonstra ser o “retrato ideal” da personalidade de Laerte (inclusive, Laerte assina este roteiro juntamente com Rodrigo John, Thomas Créus e Otto Guerra). Certamente você não levará seu filho de 10 anos para ver essa animação, já que os quadrinhos de Laerte são para adultos, tendo; cabeças degoladas, nu, genitálias expostas e assim por diante.

pvJAFN9Q.png

Otto Guerra mergulha fundo no “surrealismo”, montando um filme quase sem narrativa linear, utiliza várias metáforas e construções ideológicas da mente de Laerte. Além disto, Otto também utiliza da “metalinguagem”, ele mesmo é o próprio ator de seu filme, comenta sobre cenas, produção, dificuldades e principalmente sobre a porra louca que é seu projeto, isso torna o longa bem engraçado em alguns momentos. 

Apesar de ser um filme totalmente confuso e “estranho” (difícil de descrevê-lo aqui) vale a pena curtir esse momento histórico sobre a vida deste excelente cartunista.